sábado, 25 de julho de 2009



O carpinteiro




Um velho carpinteiro estava pronto para se aposentar, ele informou ao chefe o seu desejo de sair da indústria de construção e passar mais tempo com sua família. Ele ainda disse que sentiria falta do salário, mas realmente queria se aposentar.
A empresa não seria muito afetada com a sua saída, mas o chefe estava triste em ver um bom funcionário partindo. Ele pediu ao carpinteiro para trabalhar em mais um projeto como um favor, o carpinteiro concordou, mas era fácil ver que ele não estava entusiasmado com essa idéia.
Ele prosseguiu fazendo um trabalho de segunda qualidade e usando materiais inadequados, foi uma maneira negativa de ele terminar a sua carreira. Quando o carpinteiro acabou, o chefe veio fazer a inspeção da casa, depois deu a chave da casa para o carpinteiro e disse:
-Esta é sua casa, é o meu presente para você.
O carpinteiro ficou muito surpreso, que pena se ele soubesse que estava construindo sua própria casa teria feito tudo diferente. O mesmo acontece muitas vezes conosco, nós construímos nossa vida, um dia de cada vez e muitas vezes fazendo menos que o possível, depois surpresos descobrimos que precisamos viver nesta construção.
Se nós pudéssemos fazer tudo de novo, faríamos diferente, mas não podemos voltar atrás, você é o carpinteiro, todo dia você martela pregos, ajusta tábuas e constrói paredes, alguém disse que a vida é um projeto que você mesmo constrói, suas atitudes e escolhas hoje estão construindo a casa que você vai morar amanhã. Construa com sabedoria, trabalhe como se você não precisasse do dinheiro, ame como se você nunca tivesse sido magoado antes, dance como se ninguém estivesse olhando. Sempre que você for fazer alguma coisa faça bem feito.
As nossas ações devem ser responsáveis por tudo o que fazemos na vida, os frutos do que pensamos e fazemos, se queremos o bem para nós mesmos é preciso que façamos o bem para os outros. Não existe empresa 100% com funcionário 50%, construa a casa do outro pensando que você é quem irá morar nela, atenda as pessoas como se fossem da sua família. A vida é assim, as empresas de sucesso são assim, as pessoas de sucesso são assim.




Pense nisso!


Apocalipse e a ciência?


É O FIM PARA NÓS?Catástrofes
em série fomentam
teorias sobre
o "fim do mundo"
Publicidade

O maremoto ocorrido em 26 de dezembro último no sudeste da Ásia, o furacão Katrina que atingiu o sul dos Estados Unidos em 29 de agosto passado e agora o terremoto que afetou novamente a Ásia no sábado (8) são, segundo especialistas, uma mera coincidência, mas muitos vêem nessas catástrofes signos claros sobre a aproximação do fim do mundo.Para o evangelista americano Pat Robertson, a série macabra marca o "fim do mundo" e anuncia o "retorno iminente" de Jesus Cristo. "Essas coisas começam a se produzir com uma regularidade assombrosa", afirmou o religioso recentemente, em uma entrevista à rede de TV CNN.Fundador da Coalizão Cristã, que afirma que o fim do mundo será precedido por revoltas políticas e catástrofes geológicas, Robertson interpreta os últimos acontecimentos como "signos premonitórios".Aludindo à Bíblia, Robertson também afirmou que "um dia Jesus Cristo voltará para iniciar uma nova era". E antes que essa "nova era" chegue, haverá dias "difíceis", semelhantes aos de "uma mãe prestes a dar a luz ao seu filho".Robertson --pastor batista-- é muito conhecido nos Estados Unidos, onde é também um influente homem de negócios, subretudo depois de haver criado uma rede de TV --a Christian Broadcasting Network-- onde ataca regularmente desde o comunismo até o islamismo.As profecias bíblicas que evocam o fim do mundo são fonte de numerosas teorias que dizem que a "mão de Deus" está por trás das catástrofes naturais."[Esses acontecimentos] são uma advertência e um prelúdio do que irá ocorrer na Terra. Isso deve levar as pessoas ao arrependimento antes que seja tarde demais", escreveu o pastor Mark Hitchcock, no portal cristão fundamentalista "Left Behind Prophecy Club".CiênciaComo é de se supor, os cientistas não explicam da mesma maneira as catástrofes na série dos dois últimos meses.Os geólogos, em particular, têm reiterado em múltiplas ocasiões que as recentes catástrofes não são mais numerosas do que as ocorridas no passado."Não é mais do que uma coincidência", afirmou o professor Chang Lung San, especialista em Ciências da Terra, na Universidade de Hong Kong."Não há nenhuma relação [entre os acontecimentos catastróficos]. Acontecimentos geológicos e meteorológicos como esses são independentes uns dos outros", explicou.


É APENAS O COMEÇO DELE...




Bento XVI propõe nova ordem mundial
2009-07-08

Na encíclica "Caritas in veritate" (A caridade na verdade), Bento XVI defende uma nova ordem política e financeira a nível mundial. Mas a carta destina-se a "promover o desenvolvimento humano integral" e não apenas responder à crise.
Face à crise internacional o Papa reclama a instauração de uma "autoridade" para a globalização que poderia ser confiada à Organização das Nações Unidas - que para isso teria de ser "reformada", defende Bento XVI.
Publicada na véspera da reunião em Áquila, Itália, do G-8 (Grupo dos oito países mais industrializados), a encíclica "A Caridade na Verdade", a terceira do pontificado de Bento XVI, considerou a actual crise económica e financeira como uma "ocasião de discernimento e elaboração de nova planificação", defendendo a reavaliação do papel e poder do Estado na economia e apelando a uma "ética amiga da pessoa".
Denunciando o lucro a todo o custo, mas sublinhando que em si o lucro "é útil, se for um meio para atingir um fim", Bento XVI sublinhou que "não é suficiente progredir do ponto de vista económico e tecnológico", pois é necessário que o desenvolvimento seja "verdadeiro e integral", assinalando que em termos absolutos a riqueza mundial cresceu, "mas aumentam as desigualdades".
Por isso, o Papa Bento XVI defendeu para a economia uma ética "amiga da pessoa", que não esqueça a "dignidade inviolável da pessoa humana e também o valor transcendente das normas morais naturais".
"Uma ética económica que prescinda destes dois pilares arrisca-se inevitavelmente a perder o seu cunho específico e a prestar-se a instrumentalizações; mais concretamente, arrisca-se a aparecer em função dos sistemas económico-financeiros existentes, em vez de servir de correcção às disfunções dos mesmos", alertou.
Bento XVI rejeitou a ideia de que a globalização seja má, mas acentuou que "é preciso corrigir as suas disfunções, tantas vezes graves, que introduzem novas divisões entre os povos e no interior dos mesmos".
Num balanço da actividade económica e social global, defendeu que a ajuda mundial seja canalizada para auxiliar os países pobres a eliminar a fome, advogou a redução do consumo de energia nos países mais industrializados e uma utilização mais racional e eficaz dos recursos naturais.
Na sua primeira encíclica social, o Papa retoma a doutrina social da Igreja que teve o seu documento fundamental na "Populorum Progressio" de Paulo VI (1967), sublinhando que a caridade deve ser orientada pelos critérios da justiça e do bem. "Querer o bem comum e trabalhar por ele é exigência de justiça e caridade".


O documento foi divulgado um dia antes de os líderes do Grupo dos Oito (G-8, composto por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Itália, Japão e Rússia) se reunirem em L’Aquila, Itália, para coordenar os esforços para lidar com a crise global.

apocalipse news agora...




Os Sinais do Apocalipse 16:12
o rio Eufrates
e o sexto flagelo.



Diz a Sagrada Escritura:
Levantar-se-ão nação contra nação e reino contra reino; e haverá terremotos em diversos lugares, e fome. Isto será o princípio das dores. (Mc. 13,8)Vou devastar montanhas e colinas, secar toda a vegetação, transformar os cursos de água em terras áridas, e fazer secar os tanques. (Is 42,15)
O sexto derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates, e secaram-se as suas águas para que se abrisse caminho aos reis do oriente. (Ap. 16, 12)
Menino ajoelha-se na lama que restou do rio Eufrates
perto da aldeia de Jubaish, no Iraque

Rio Eufrates sofre há dois anos com seca
e poderá desaparecer do Iraque
14/07/2009 Em Jubaish (Iraque): Por todos os pântanos, os coletores de junco, pisando em terra por onde antes flutuavam, gritavam para os visitantes em um barco de passagem."Maaku mai!" eles gritavam, erguendo suas foices enferrujadas. "Não há água!"

O Eufrates está secando. Estrangulado pelas políticas de água dos vizinhos do Iraque, a Turquia e a Síria; dois anos de seca e anos de uso inadequado pelo Iraque e seus agricultores, o rio está significativamente menor do que há apenas poucos anos. Algumas autoridades temem que em breve poderá ser a metade do que era.
O encolhimento do Eufrates, um rio tão crucial para o nascimento da civilização que o Livro do Apocalipse profetizou sua seca como um sinal do final dos tempos, tem dizimado as fazendas ao longo de suas margens, tem deixado pescadores empobrecidos e esvaziado as cidades à beira do rio, à medida que os agricultores fogem para cidades maiores à procura de trabalho.
Os pobres sofrem mais agudamente, mas todos os estratos sociais estão sentindo os efeitos: xeques, diplomatas e até membros do Parlamento que se retiram para suas fazendas após semanas em Bagdá.
Ao longo do rio, os campos de arroz e trigo se transformaram em terra árida. Os canais encolheram para ribeirões rasos e os barcos de pesca ficam encalhados na terra seca. Bombas que visavam alimentar as usinas de tratamento de água balançam inutilmente sobre poças marrons.
"Os velhos dizem que é o pior de que se recordam", disse Sayd Diyia, um pescador de 34 anos de Hindiya, sentado em um café à beira do rio cheio de colegas ociosos. "Eu estou dependendo das graças de Deus."
A seca é grande por todo o Iraque. A área cultivada com trigo e cevada no norte alimentado pela chuva caiu cerca de 95% do habitual, e os pomares de tâmaras e laranjas do leste estão ressecados. Por dois anos as chuvas estão muito abaixo do normal, deixando reservatórios secos. As autoridades americanas preveem que a produção de trigo e cevada será pouco mais da metade daquela de dois anos atrás.
É uma crise que ameaça as raízes da identidade do Iraque, não apenas como a terra entre dois rios, mas como uma nação que já foi a maior exportadora de tâmaras do mundo, que antes fornecia cevada para a cerveja alemã e que tem orgulho patriótico de seu caro arroz âmbar.
Agora o Iraque está importando mais e mais grãos. Os produtores rurais ao longo do Eufrates dizem, com raiva e desespero, que terão que abandonar o arroz âmbar por variedades mais baratas.
As secas não são raras no Iraque, apesar das autoridades dizerem que nos últimos anos estão ocorrendo com maior freqüência. Mas a seca é apenas parte do que está sufocando o Eufrates e seu irmão gêmeo maior e mais saudável, o Tigre.
Os culpados citados com maior freqüência são os governos turco e sírio. O Iraque tem muita água, mas é um país que está corrente abaixo. Há pelo menos sete represas no Eufrates na Turquia e na Síria, segundo as autoridades de água iraquianas, e sem nenhum tratado ou acordo, o governo iraquiano fica reduzido a implorar por água junto aos seus vizinhos.
Em uma conferência em Bagdá na qual os participantes beberam água engarrafada da Arábia Saudita, -um país com uma fração da água doce do Iraque- as autoridades falavam em desastre.

"Nós temos uma sede real no Iraque", disse Ali Baban, o ministro do Planejamento. "Nossa agricultura vai morrer, nossas cidades vão definhar e nenhum Estado pode ficar quieto em uma situação dessas."
Recentemente, o ministério da água anunciou que a Turquia dobrou o fluxo de água para o Eufrates, salvando o período de plantio de arroz em algumas áreas.
A medida aumentou o fluxo de água em cerca de 60% de sua média, apenas o suficiente para atender metade das necessidades de irrigação para a estação de arroz. Apesar da Turquia ter concordado em manter o fluxo e até aumentá-lo, não há compromisso que exija que o país o faça.
Com o Eufrates exibindo poucos sinais de melhora da saúde, a amargura em torno da água do Iraque ameaça se transformar em fonte de tensão por meses, ou até mesmo anos, entre o Iraque e seus vizinhos. Muitas autoridades americanas, turcas e até mesmo iraquianas, desdenhando as acusações como postura de ano eleitoral, disseram que o problema real está nas deploráveis políticas de gestão de águas do próprio Iraque.
"Costumava haver água por toda a parte", disse Abduredha Joda, 40 anos, sentando em sua choupana de junco em um terreno seco e rochoso fora de Karbala. Joda, que descreve sua situação difícil com um sorriso cansado, cresceu perto de Basra, mas fugiu para Bagdá quando Saddam Hussein drenou os grandes pântanos do sul do Iraque em retaliação pelo levante xiita de 1991. Ele chegou a Karbala em 2004 para pescar e criar búfalos d'água nos ricos alagadiços que o lembravam de seu lar. "Neste ano é apenas um deserto", ele disse.
Ao longo do rio, não há falta de ressentimento em relação aos turcos e sírios. Mas também há ressentimento contra os americanos, curdos, iranianos e o governo iraquiano, todos eles responsabilizados. A escassez transforma todos em inimigos.
As áreas sunitas rio acima parecem ter água suficiente, observou Joda, um comentário cheio de implicações.
As autoridades dizem que nada melhorará se o Iraque não tratar seriamente de suas próprias políticas de água e de sua história de má gestão de águas. Canais que vazam e práticas de irrigação perdulárias desperdiçam água, e a má drenagem deixa os campos tão salgados com a evaporação da água que mulheres e crianças escavam imensos montes brancos das piscinas de água de rolamento.
Em uma manhã escaldante em Diwaniya, Bashia Mohammed, 60 anos, trabalhava em uma piscina de drenagem ao lado da estrada colhendo sal, a única fonte de renda de sua família, agora que sua plantação de arroz secou. Mas a fazenda morta não era a crise real.
"Não há água do rio para bebermos", ela disse, se referindo ao canal que flui do Eufrates. "Agora está totalmente seco e contém água de esgoto. Eles cavam poços, mas às vezes a água simplesmente é cortada e temos que beber do rio. Todos meus filhos estão doentes por causa da água."
No sudeste, onde o Eufrates se aproxima do fim de sua jornada de 2.784 quilômetros e se mistura com as águas menos salgadas do Tigre antes de desaguar no Golfo Pérsico, a situação é grave. Os pântanos de lá, que foram intencionalmente reinundados em 2003, resgatando a cultura antiga dos árabes do pântano, estão secando novamente. Os carneiros pastam em terras no meio do rio.



Os produtores rurais, coletores de junco e criadores de búfalos continuam trabalhando, mas dizem que não poderão continuar se a água permanecer assim.
"O próximo inverno será a última chance", disse Hashem Hilead Shehi, um agricultor de 73 anos que vive em uma aldeia seca a oeste dos pântanos. "Se não conseguirmos plantar, então todas as famílias terão que partir."

quarta-feira, 15 de julho de 2009

missões atraves de Um












Por que missões?






Embora a palavra "missões" não se encontre nas Escrituras, a idéia está inserida em toda a Bíblia Sagrada, de Gênesis a Apocalipse. A palavra "missão" vem do latim "mitto" e significa "enviar". No Novo Testamento vemos o próprio Jesus empregando uma palavra com o mesmo significado - a palavra apóstolo (do grego apostello). De maneira simples, podemos afirmar que missão significa enviar.

Quando falamos em missões nos referimos à proclamação do evangelho em todo mundo, o que é geralmente chamado de Grande Comissão. Esta Grande Comissão consiste nas últimas instruções de Jesus a seus discípulos e que se encontra registrado nos quatro Evangelhos (Mt 28.18-20; Mc 16.15,16; Lc 24.46-49; Jo 20.21,22), bem como no livro de Atos dos Apóstolos (1.8). Através da Grande Comissão, o Senhor Jesus revela sua vontade - de que todas as pessoas, em todas as épocas - ouçam o evangelho, e assim as famílias da terra seriam benditas (Gn 12.3). A clareza destes textos deixa evidente que na mente de cada cristão obediente a Jesus, deve haver um profundo sentimento de paixão pelas almas. A evangelização do mundo é a vontade e o plano inquestionáveis do Senhor. Uma simples leitura, mesmo superficial, do Novo Testamento, é capaz de nos fazer observar esse fato.

Jesus, durante o seu ministério terreno, sempre se preocupou com a situação espiritual das pessoas. O seu olhar era diferente. Ele não via as pessoas pela sua posição social ou financeira, mas via o seu estado espiritual, ele as via como ovelhas sem pastor (Mt 9.35-38). Em outra passagem ele diz que as ovelhas ouvem a sua voz e o seguem, mas mesmo assim não se dá por satisfeito, pois reconhecia que haviam outras ovelhas, a quem ele também deveria agregar (Jo 10.16). E hoje, já passados quase dois mil anos destas celebres palavras, elas ainda ecoam em nossos ouvidos. Jesus ainda está a nos dizer que ainda existem outras ovelhas que ele deseja agregar ao seu rebanho. São milhões de muçulmanos, hinduístas, budistas e outros. "Mas como ouvirão se não há quem pregue?" (Rm 10.14,15). Cabe aos seguidores de Cristo fazê-lo conhecido em todo mundo, e assim muitas outras ovelhas serão agregadas ao rebanho (Igreja) do Senhor.

Para que essa tarefa fosse fielmente cumprida, em suas últimas instruções aos seus discípulos, antes de sua ascensão, Jesus deu a sua igreja representada ali uma ordem. Não foi uma simples opinião ou um mero palpite de Jesus. Ele não disse para a Igreja anunciar o evangelho a todos os povos quando achassem conveniente... ou para ver se compensava ou não... ou quando alguém estivesse à toa... Nada disso! As palavras de Jesus Cristo proferiram uma ordem imperativa clara e expressa para a Igreja, a de evangelizar o mundo e fazer novos discípulos (Mt 28.19; At 1.8). Não era uma ordem para evangelizar toda a cidade e só depois pensar em terras distantes. Não! Seus discípulos deveriam proclamar o evangelho a toda criatura e em todo o mundo (Mc 16.15).
E esta ordem não foi somente para aquela época, mas ainda faz parte da missão imperativa da igreja hodierna. A missão da igreja baseia-se na missão de Deus de reconciliar a humanidade consigo mesmo, através do Evangelho. Somos, portanto, enviados a evangelizar o mundo e tornar o Evangelho disponível a toda criatura. A evangelização é a apresentação inteligível, atrativa, significativa, propositada e persuasiva do Evangelho. A ênfase no Novo Testamento é a proclamação verbal do Evangelho. Mais de 140 vezes o Novo Testamento usa palavras tais como diagello, “anunciar”; kataggello, “contar totalmente”; evangelizo, “espalhar boas novas”; ladeo, “conversar” ou “falar”; e kerusso, “anunciar” ou “proclamar”.
Por isso, ou fazemos missões mundiais ou, diante de Deus, estaremos sendo desobedientes, negligentes e omissos. Poderemos construir suntuosos templos. Poderemos fundar majestosos conjuntos musicais. E se podemos e temos condições de fazer isso, louvado seja Deus. Mas naquele grande dia, Deus não fará um concurso do templo mais bonito ou do conjunto mais esplendoroso. Ele sim requererá de nossas mãos o nosso empenho no sentido de tornar o mundo evangelizado. Obviamente que sozinhos não poderemos evangelizar o planeta inteiro. Mas podemos e devemos fazer a nossa parte nessa tarefa. E se cada um fizer a sua parte, o mundo evangelizado será um alvo realizável ainda nessa geração.
Que o sentimento de paixão pelas almas inunde nossos corações e nos leve a um profundo compromisso com a obra missionária.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

missões nacionais

Junta de missões

A velocidade com que as drogas estão avançando e destruindo a vida de tanta gente pelo Brasil afora levou a Junta de Missões Nacionais (JMN) a preparar um grupo de radicais para morar na Cracolândia, em São Paulo. São 13 radicais que durante seis meses, a partir desta semana, terão o desafio de plantar e fazer frutificar a semente do Evangelho em um dos maiores pontos de uso e distribuição de drogas do País.
O projeto Radical Brasil Cracolândia foi anunciado pelo pastor Fernando Brandão, diretor-executivo da JMN, na sexta-feira à noite. Ele veio a Maceió participar, como mensageiro, do Culto de Comissionamento (envio ao campo) de 142 voluntários da Trans Alagoas, uma grande operação evangelística que está sendo realizada desde ontem (4) em Maceió e outras 11 cidades do interior do Estado.
O Culto de Comissionamento dos radicais e do casal de missionários que coordenará o projeto, pastor Humberto e Soraya Machado, ambos com experiência na evangelização de marginalizados, será às 20 horas de amanhã (6), na Primeira Igreja Batista de São Paulo, com a presença do prefeito da cidade, Gilberto Kassab, do diretor-executivo e de outros representantes da JMN. Eles foram treinados durante três meses no Centro Integrado de Educação e Missões (Ciem), no Rio de Janeiro, para o trabalho na Cracolândia.
O projeto, segundo o pastor Fernando Brandão, nasceu no coração de Deus. “Freqüentemente temos visto nos noticiários informações sobre essa região na estação da Luz, onde vidas estão sendo destruídas. Nesse cenário surge um projeto arrojado e desafiador. Riscos nós temos. Implicações, as mais diversas. É uma atuação extremamente complexa, mas as portas do inferno terão que recuar, inevitavelmente".
Da próxima terça-feira até dezembro, os radicais estarão rodeados por densas trevas, vivendo para a transformação do dia-a-dia daqueles que estão reféns dos entorpecentes. "A igreja é a esperança do Brasil. A igreja que tem a palavra de Deus. O Estado não tem, mas o Evangelho tem a resposta para as pessoas que estão caídas na calçada da Cracolândia e nós não podemos nos omitir", reforça o pastor Fernando Brandão.
Em Maceió
Falando aos voluntários da Trans Alagoas e a um grande número de pessoas que participaram do Culto de Comissionamento na Igreja Batista do Farol, na sexta-feira à noite, o pastor Fernando Brandão revelou sua preocupação com a destruição que o crack tem causado não apenas em São Paulo mas em todo o Brasil. “Eu imagino que aqui em Maceió não seja diferente! Deve existir alguma coisa parecida com a Cracolândia por aqui! E como igreja. Em nome do Senhor Jesus, precisamos declarar guerra ao poder das trevas que está encastelado na vida de tantas pessoas”, ressalta o dirigente da JMN.
Ele convocou o povo batista para avançar, porque as drogas estão chegando a lugares que ainda não foram alcançados pelo Evangelho. “Milhões de brasileiros estão enfermos espiritualmente, mortos na idolatria, nas drogas, na corrupção, na prostituição, na exploração sexual de crianças. Outras enfermidades se abatem sobre a nossa nação e precisamos orar para Deus libertar essas pessoas do poder das trevas”, concluiu.

eleição Guiné-Bissau


Os resultados provisórios da eleição presidencial na Guiné-Bissau, África, indicam um segundo turno entre Malam Bacai Sanhá e Kumba Ialá, este apoiado pelo Partido de Renovação Social (PRS). No país estão o casal missionário Pr. Edivaldo e Edileusa da Silva (Gabu) e as missionárias Edna Dias e Lilian Grance (ambas em Bafatá).


A divulgação, feita na quinta-feira pela Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau, indica que as eleições presidenciais antecipadas de domingo passado deram a vitória com 39,59% a Malam Bacai Sanhá seguido de Kumba Ialá que somou 29,42% das votações. A data para realização do segundo turno ainda é desconhecida.Os eleitores guineenses irão repetir a escolha que já tiveram de fazer nas presidenciais de 1999/2000 em que Malam Bacai Sanhá e Kumba Ialá também se defrontaram numa segunda volta que acabou por ser ganho pelo líder do PRS com 72% dos votos. Nas últimas eleições, em 2005, Malam Bacai Sanhá também passou à segunda volta, mas perdeu para João Bernardo "Nino" Vieira, que acabaria assassinado em março deste ano; isso motivou a antecipaçao destas eleições. Já em abril, o enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas à Guiné-Bissau, Joseph Mutaboba, havia reconhecido que a situação na antiga colônia portuguesa era tensa.


Ele denunciou a existência de um clima de medo no país, num momento em que, segundo a Liga Guineense dos Direitos Humanos, ocorriam detenções e espancamentos pelos militares de possíveis suspeitos e testemunhas civis do atentado. Os cristãos são convocados a intensificar suas orações para que a paz seja restabelecida na Guiné-Bissau e, assim, o trabalho missionário avance naquele país dividido entre as crenças tradicionais e o islamismo; com apenas 13,2% de cristãos, quase todos (9,9%) católicos.

missões Haiti sucesso

Haiti


Nos meses de junho e julho um grupo de 40 irmãos, composto de 27 mulheres e 13 homens, esteve no Haiti. Eles – membros de várias igrejas – fizeram parte da caravana “Brasil e Haiti:


Unidos por uma nova nação”. Este é mais um projeto desenvolvido por Missões Mundiais, que esteve sob a coordenação dos pastores Mayrinkellison Wanderley (Coordenador de Missões da JMM) e Marcos Grava (Coordenador do PEM – Programa Esportivo Missionário).Os batistas brasileiros mantêm, através de Missões Mundiais, seis missionários da terra no Haiti que têm realizado um profícuo trabalho naquela nação tão carente física e espiritualmente.


“Nós precisamos investir mais no Seminário Batista existente no país e no trabalho que as igrejas locais desenvolve”, explica o Pr. Mayrinkellison. Assim, Missões Mundiais enviou mais essa caravana ao Haiti, que foi composta por médicos, dentistas, pastores, missionários, enfermeiras, vários professores, secretárias, empresário, engenheiro, esteticista, nutricionista, turismóloga, recepcionista, assistente comercial, militar e estudantes de várias áreas. Missão cumprida O último boletim, enviado pela liderança da equipe de voluntários que esteve no Haiti, informa sobre as inúmeras bênçãos recebidas naquele país onde os voluntários viveram experiências que os fizeram crescer se unirem ainda mais como Corpo de Cristo.



O grupo viveu um tempo difícil naquele campo devido ao cansaço acumulado, e o Senhor operou na vida de cada componente da caravana.Nos dois últimos dias, que ali passaram, eles contaram com o maior número de crianças presentes; e fizeram mais atendimentos médicos e dentários. Aproximadamente 450 crianças participaram dos KidsGames, e cerca de 130 pessoas foram atendidas por nossos profissionais de saúde. “Não tínhamos muitos recursos, e em muitas vezes não podíamos fazer nada, mas Deus nos levantou para orar, para interceder e para nos mostrar que, sem Ele, nós não somos nada”, diz uma voluntária.Outro testemunho que marcou muito a vida de cada voluntário, foi o de uma dentista voluntária que, com apenas o cabo de uma escova, removeu três raízes de dente de uma pequena menina, sem anestesia e em situação de emergência, pois certamente seriam focos de infecção futura.


Ao final, a dentista ouviu da mãe da menina que durante a noite anterior ela teve um sonho, e Deus lhe mostrava neste sonho que uma médica e uma dentista viriam cuidar de sua filha.Depois de tantas experiências profissionais, ministeriais e espirituais, e de se sentirem usados por Deus no Haiti, os voluntários voltam para casa com o coração partido, mas muito felizes por saber que cumpriram aquilo que o Pai lhes ordenou. O sentimento e desejo de cada um deles é de querer fazer mais e continuar evangelizando os não-alcançados e perdidos.




Foi assim que, através de suas vidas e testemunhos, eles contagiaram outros irmãos a cumprir também o “Ide” de Jesus.Pedimos aos crentes brasileiros que continuem orando pelas igrejas e irmãos haitianos. Que Deus levante mais brasileiros que estejam dispostos a ir servi-Lo no Haiti, pois o país clama por salvação!

sexta-feira, 3 de julho de 2009

ETIOPIA ATUAL




Trabalhadores em construção


de igreja são mortos


pela polícia.

Saiba mais sobre a Igreja Perseguida na Etiópia



ETIÓPIA (45º) - A polícia da Etiópia baleou e matou duas pessoas que ajudavam a construir uma igreja cristã em um terreno que é reivindicado por muçulmanos.

A violência começou quando a polícia tentou impedir a construção em Dessie, ao nordeste de Addis Ababa.

A polícia afirma que a violência foi uma resposta ao ataque iniciado pelos cristãos, mas grupos dizem que os policiais fizeram uma emboscada para os trabalhadores.

A população em Dessie é 2/3 cristã e 1/3 muçulmana.

O Ministro da informação, Bereket Simon disse aos jornalistas que os cristãos “invadiram o local” e tentaram prosseguir na construção da igreja “ilegalmente”.

“Infelizmente, três vidas foram tiradas. Duas delas foram baleadas, e uma caiu de um penhasco”, ele disse. Muitas outras pessoas ficaram feridas.

Não é a primeira vez que ocorrem disputas por terrenos onde existem templos de Igreja na Etiópia. Conheça o caso da Igreja Kale Hiwot.

ATLETAS DE CRISTO E PERSEGUIÇÃO


INTERNACIONAL - A comemoração da seleção pelo título da Copa das Confederações e o comportamento dos jogadores brasileiros após a vitória sobre os Estados Unidos causam polêmica na Europa. A queixa é de que o time brasileiro estaria usando o futebol como palco para a religião. A Fifa confirmou ao Estado que mandou um alerta à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pedindo moderação na atitude dos jogadores mais religiosos, mas indicou que por enquanto não puniria os atletas, já que a manifestação ocorreu após o apito final.

Ao virar o jogo contra os EUA, os jogadores da seleção fizeram uma roda no centro do campo e oraram. A Associação Dinamarquesa de Futebol é uma das que não estão satisfeitas com a Fifa e quer posição mais firme. Pede punições para evitar que isso volte a ocorrer.

Com centenas de jogadores africanos, vários países europeus temem que a falta de uma punição por parte da Fifa abra caminho para extremismos religiosos e que o comportamento dos brasileiros seja repetido por muçulmanos que estão em vários clubes europeus hoje.

Tanto a Fifa quanto os europeus concordam que não querem que o futebol se transforme em um palco para disputas religiosas, um tema sensível em várias partes do mundo. Mas, por enquanto, a Fifa não ousa punir a seleção brasileira.

"A religião não tem lugar no futebol", afirmou Jim Stjerne Hansen, diretor da Associação Dinamarquesa. Para ele, a oração promovida pelos brasileiros em campo foi "exagerada". "Misturar religião e esporte daquela maneira foi quase criar um evento religioso em si. Da mesma forma que não podemos deixar a política entrar no futebol, a religião também precisa ficar fora", disse o dirigente ao jornal Politiken, da Dinamarca.

Ao Estado, a entidade confirmou que espera que a Fifa tome "providências" e que busca apoio de outras associações.

As regras da Fifa de fato impedem mensagens políticas ou religiosas em campo. A entidade prevê punições em casos de descumprimento. Por enquanto, a Fifa não tomou nenhuma decisão e insiste que a manifestação religiosa apenas ocorreu após a partida. Essa não é a primeira vez que o tema causa polêmica. Ao fim da Copa de 2002, a comemoração do pentacampeonato brasileiro foi repleta de mensagens religiosas.

A Fifa mostrou seu desagrado na época. Mas disse que não teria como impedir a equipe que acabara de se sagrar campeã do mundo de comemorar à sua maneira. A entidade diz que está "monitorando" a situação. E confirma que "alertou a CBF sobre os procedimentos referentes ao assunto". A Fifa alega que, no caso da final da Copa das Confederações, o ato dos brasileiros de se reunir para orar ocorreu só após o apito final. E as leis apenas falam da situação em jogo.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a CBF informou que não recebeu nenhuma queixa da Fifa e, por isso, não vai comentar o assunto.

Tema recorrente

Nos últimos anos, o tema da religião no futebol ganhou uma nova dimensão. Frank Ribery, artilheiro francês, provocou polêmica há poucas semanas ao ser flagrado por uma câmera orando pelos costumes muçulmanos. Recentemente, dois jogadores bósnios do time norueguês Sandefjord comemoraram um gol se ajoelhando e orando da forma tradicional muçulmana. Um outro jogador do mesmo time não se conteve e fez gestos vulgares aos dois atletas.

quinta-feira, 2 de julho de 2009



Regras Fundamentais para a Oração




II Cr. 7:14- Arrependimento, contrição, dor profunda de ter cometido pecado.E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar buscar a minha face e se converter dos seus mais caminhos então eu ouvirei dos céus e perdoarei os seus pecados, e curarei a sua terra.



Jr 29: 13 - Interceder de coraçãoIntegridade, caráter, retidão, honradez, pureza intacta.E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo vosso coração.



Ml 11:24 - Fé e ConfiançaPor isso vos digo que todas as coisas que pedirdes, orando, crede receber, e tê-las-eis.



Tiago 5:16 RetidãoConfessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.



I Jo 3:22 - Obediência, submissão, humildadeE qualquer coisa que lhe pedirdes dele a recebermos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista.


viva e prossigar em oração

Familia pastoral

Familia pastoral
Pr.Fernando Dionisio,Pra.joana Dark,Ramon, Rubém,Sillas

SEJÁ BEM VINDO

Pesquisar este blog

MSN

RADIO EM ADORAÇÃO